tireoidectomia endoscópica

Tireoidectomia endoscópica: como é o procedimento?

A glândula tireoide é um dos órgãos mais importantes do corpo, pois é responsável pela produção de hormônios que regulam o organismo. No entanto, em função de um tumor ou de outras doenças graves, pode ser necessário removê-la a partir de uma tireoidectomia endoscópica.

Você já ouviu falar nesse procedimento? Sabe como ele é realizado? Conhece os benefícios desta técnica? Caso não, recomendamos a leitura deste post. Nele, responderemos a todas essas perguntas.

O que é a tireoidectomia?

A tireoidectomia é uma das intervenções cirúrgicas mais realizadas por um cirurgião de cabeça e pescoço. O procedimento consiste na remoção parcial ou total da glândula tireoide, sendo feito sob anestesia geral e em ambiente hospitalar.

Ainda, na tireoidectomia parcial, é retirado apenas um dos lobos e o istmo da tireoide, permanecendo a outra parte. Já na remoção total, toda a glândula é retirada, exigindo a reposição hormonal.

Ademais, as principais indicações para a realização dessa intervenção cirúrgica são: nódulos na tireoide, suspeita de malignidade, bócio mergulhante, hipertireoidismo sem tratamento clínico ou queixas estéticas.

O que é a tireoidectomia endoscópica?

A remoção da glândula tireoide é um procedimento complexo, pois envolve a manipulação de estruturas delicadas. No formato tradicional, a cirurgia exige grande atenção e precisão do profissional. Caso contrário, existe o risco de várias complicações.

Neste sentido, surgiu a tireoidectomia endoscópica, uma alternativa mais segura para o tratamento de doenças da tireoide. A técnica é considerada minimamente invasiva, o que fez com que se tornasse uma excelente opção terapêutica.

Ainda, este novo método foi desenvolvido em 2016 e já é amplamente utilizado na Ásia. Já na América e na Europa, a experiência com a técnica ainda é pequena. Porém, com a crescente demanda por resultados estéticos melhores, sua utilização tende a ser ampliada.

Como funciona?

A tireoidectomia transoral endoscópica por acesso vestibular (TOETVA), como é conhecida pelos profissionais, representa uma nova abordagem no tratamento das patologias da tireoide. O procedimento é realizado a partir do acesso pela área vestibular do lábio inferior.

Com isso, a glândula tireoide é mais facilmente manipulada, evitando o contato com estruturas nervosas e vasculares. Nessa abordagem, o cirurgião utiliza-se de instrumentos de laparoscopia para retirar a glândula.

Para isso, realiza pequenas incisões na região interna dos lábios. Por ser um procedimento minimamente invasivo, a recuperação é rápida e o paciente retorna as atividades após cerca de duas semanas.

Outra vantagem desta técnica é o fato de não deixar cicatrizes visíveis. Na cirurgia convencional, uma das principais consequências negativas é a formação de cicatrizes proeminentes.

No entanto, mesmo que com menor probabilidade, tanto na cirurgia por via aberta quanto na endoscopia existe o risco de algumas complicações cirúrgicas, tais como, hematoma, alterações na voz e paralisia bilateral da prega vocal.

Enfim, como você pode perceber, a tireoidectomia endoscópica é um procedimento mais seguro e preciso. Além disso, a recuperação do paciente é mais rápida  e o pós-operatório tende a ser mais tranquilo.

Quer saber mais? Estou à disposição para solucionar qualquer dúvida que você possa ter, e ficarei muito feliz em responder aos seus comentários sobre este assunto. Leia outros artigos e conheça mais do meu trabalho como cirurgião em Belo Horizonte! 

O que deseja encontrar?

Compartilhe

Share on facebook
Share on linkedin
Share on google
Share on twitter
Share on email
Share on whatsapp