câncer de vesícula biliar

Câncer de vesícula biliar: como prevenir?

O câncer de vesícula biliar é uma doença rara, mas que ocupa o quinto lugar das neoplasias mais frequentes do trato intestinal. Embora grande parte dos fatores de risco não possam ser evitados, existem algumas medidas capazes de prevenir a doença.

Quer saber quais são? Então, não deixe de ler este post. A seguir, explicaremos um pouco mais sobre esse tipo de câncer e traremos as principais formas de prevenção.

Como surge o câncer de vesícula biliar?

O câncer de vesícula biliar é uma doença rara que se caracteriza pelo crescimento acelerado e desorganizado que se inicia nas células da vesícula. Este órgão tem como principal função o armazenamento da bile, um líquido produzido pelo fígado para a digestão de gorduras.

Ainda, a parede da vesícula biliar é composta pelas camadas mucosa, muscular e serosa. O câncer se desenvolve primeiramente na mucosa e, com sua evolução, alcança as outras camadas. 

Na maioria dos casos, os tumores malignos surgem a partir de uma inflamação crônica no órgão, problema que costuma ser causado pela ação dos cálculos biliares ou por refluxos do suco pancreático.

Ademais, o câncer de vesícula biliar também pode estar relacionado com fatores genéticos. Isso porque a doença pode provocar alterações no DNA das células que ativam os oncogenes ou desativam os genes supressores de tumor. Com isso, algumas pessoas podem herdar essas mutações genéticas dos seus pais.

Quais os sintomas?

Este tipo de neoplasia é conhecida por ser silenciosa, ou seja, o paciente não manifesta sintomas até que o câncer esteja em estágio avançado. Assim, o diagnóstico precoce da doença é um grande desafio.

Por isso, é necessária uma série de testes para confirmar o quadro e identificar o grau de estadiamento do tumor, como, por exemplo, ultrassom, tomografia, ressonância, biópsia e análise do histórico de saúde pessoal e familiar do paciente.

Como prevenir o câncer de vesícula biliar?

A prevenção do câncer de vesícula biliar passa por evitar os fatores considerados como responsáveis por aumentar as probabilidades de alguém desenvolver a doença. No entanto, a maioria dos fatores de risco desta neoplasia não são evitáveis, tais como:

  • componente genético: quem tem histórico familiar de doenças na vesícula biliar estão mais propensos a também desenvolvê-las;
  • idade: pessoas acima dos 60 anos são mais frequentemente acometidas por esse tipo de câncer;
  • gênero: as mulheres estão mais predispostas que os homens para esta doença em função das alterações hormonais ocorridas durante a menopausa;
  • etnia: o risco de ter a doença é menor em pessoas de raça negra.

Entretanto, também existem fatores que podem ser evitados. Por isso, é possível adotar medidas que contribuam para a prevenção do câncer de vesícula biliar. São elas:

  • obesidade: o excesso de peso aumenta consideravelmente as chances de uma pessoa desenvolver esta neoplasia. Por isso, pratique atividades físicas, evite o sedentarismo, adote uma alimentação equilibrada e controle o peso corporal;
  • cálculos biliares: a formação de pedras na vesícula biliar eleva as chances de ocorrem inflamações no órgão. Para evitar essa condição, adote um estilo de vida saudável, equilibre seus hábitos alimentares e perca peso de forma segura;
  • outras patologias: colangite esclerosante primária, tifoide, pólipos e cistos da vesícula biliar são algumas das condições que, quando não tratadas, podem evoluir para um câncer. Por isso, mantenha uma rotina de visitas regulares ao médico para diagnosticar e tratar essas doenças o mais breve possível.

Enfim, essas são algumas das ações necessárias para reduzir o risco de desenvolver um câncer de vesícula biliar. Porém, muitos dos fatores de risco estão fora do nosso controle.

Quer saber mais? Estou à disposição para solucionar qualquer dúvida que você possa ter, e ficarei muito feliz em responder aos seus comentários sobre este assunto. Leia outros artigos e conheça mais do meu trabalho como cirurgião em Belo Horizonte! 

O que deseja encontrar?

Compartilhe

Share on facebook
Share on linkedin
Share on google
Share on twitter
Share on email
Share on whatsapp